Convite a uma trilha

Há muitos Rondons em uma só vida. Há muitos caminhos a se trilhar quando uma personalidade forte responde do seu modo, com o instrumental e os valores de época, ao seu tempo. O Rondon revelado nos fatos ainda permite leituras com interpretações diversas e até conflitantes.

No exercício de estratégias pontuais localizadas nesse tempo, interagem modelos de progresso, civilização e desenvolvimento. Os valores se alternam e alteram em polêmicas que persistem até os dias de hoje, pois não há um modelo único, nem infalível, de construção da identidade nacional.

Respostas de honra, coragem e desprendimento sob poderosas circunstâncias internas e externas, pressões políticas e institucionais, diferentes matizes da cobiça pela terra e suas riquezas, diversas formas de exploração humana, ideologias, regionalismo, genocídio e etnocídio dos povos indígenas: tudo isso imprime marcas muito específicas do tempo de Rondon.

Seja qual for a leitura contemporânea da sua obra, há muitas nuances – e mesmo contradições – que não apagam o caráter da sua pessoa, a sua visão estratégica de militar, a devotada dedicação, o senso de dever, a capacidade de sentir, a disposição para a luta, o rigor da disciplina e a forte convicção para desafios sob trabalho duro. Rondon é um ser humano que se percebe no contato com as diferenças e se abre para a percepção do outro. A sua visão era a de quem conferia existência aos povos indígenas no compromisso pela garantia de suas terras e cultura.

Marechal Cândido Mariano da Silva Rondon fez o possível além das possibilidades. Era um brasileiro levando a ideia de Brasil aonde Brasil não existia. Sem oferecer uma visão definitiva e exclusiva da pessoa, do militar e do político, apresentamos aqui alguns pontos para reflexão e comparação dentro dessa trama de imensa complexidade. São fatos e fatores que abrigaram, em essência, a construção do Brasil, não só como território físico, mas como um conjunto de instituições, abrangendo as relações da cultura, os valores simbólicos de um povo singular e ao mesmo tempo plural: um país que ainda cumpre o processo permanente de se inventar e reinventar como nação.