Lélia Gonzalez e Carlos Hasenbalg. Lugar de Negro, 1982<span>Acervo Lélia Gonzalez</span>

Lugar de negro (1982)

A estreia de Lélia no mercado editorial ocorreu na década de 1960 com traduções de textos filosóficos. No entanto, publicou seu primeiro livro, Lugar de negro, no início da década de 1980, em parceria com o sociólogo Carlos Hasenbalg. Nesta obra, o capítulo “O movimento negro na última década”, de sua autoria, traça um panorama histórico do modelo econômico a partir de 1964, - quando os militares assumiram o poder e instauraram uma nova "ordem" – e como a população negra trabalhadora se encaixou nesse cenário.

Em seguida, Lélia resgata historicamente os movimentos negros, uma vez que: “falar do Movimento Negro implica no tratamento de um tema cuja complexidade, dada a multiplicidade de suas variantes, não permite umas visão unitária. Afinal, nós negros, não constituímos um bloco monolítico, de características rígidas e imutáveis”. Dentro desta pluralidade, elenca diversas estratégias de resistência ao sistema escravocrata, como os quilombos, as irmandades de homens pretos, as religiões de matriz africana. Ainda neste capítulo, Lélia narra o processo de criação do Movimento Negro Unificado, do qual foi cofundadora no ano de 1978.

Em seguida, Lélia resgata historicamente os movimentos negros, uma vez que: “falar do Movimento Negro implica no tratamento de um tema cuja complexidade, dada a multiplicidade de suas variantes, não permite umas visão unitária. Afinal, nós negros, não constituímos um bloco monolítico, de características rígidas e imutáveis”. Dentro desta pluralidade, elenca diversas estratégias de resistência ao sistema escravocrata, como os quilombos, as irmandades de homens pretos, as religiões de matriz africana. Ainda neste capítulo, Lélia narra o processo de criação do Movimento Negro Unificado, do qual foi cofundadora no ano de 1978.

Livro Festas Populares do Brasil. Texto de Lélia Gonzalez, Rio de Janeiro, 1987<span>Acervo Lélia Gonzalez</span>

Festas Populares no Brasil (1987)

Através das lentes de distintos/as fotógrafos/as, o livro Festas Populares no Brasil, publicado no ano de 1987, registra as festas populares – espalhadas pelo país de norte a sul – e revela a pluralidade cultural brasileira. Os textos de autoria de Lélia Gonzalez são informativos e traduzem a diversidade das manifestações folclóricas, sejam elas de cunho religioso ou não.

Para além da festividade, a obra mostra os laços indissociáveis entre Brasil e África, a integração entre o profano e o sagrado, a reinvenção das tradições e o sincretismo religioso presentes na formação cultural brasileira. Por sua beleza, Festas Populares no Brasil recebeu um prêmio internacional na categoria “os mais belos livros do mundo”, na Feira de Leipzig/Alemanha Oriental – uma das mais importantes do mercado editorial.