[...] só quem assistiu à infância do cinema no Brasil pode avaliar o que era essa magia dominical das fitas francesas e italianas, sonho da semana inteira.

Drummond, Tempo vida poesia

O personagem Carlito de Charles Chaplin no filme “Em busca do ouro” <span>Bettmann/Corbis/Latinstock</span>A atração de Carlos Drummond de Andrade pelo cinema é registrada em sua obra literária. Aqui e ali surgem crônicas ou poemas em que o cinema e seus personagens são o tema central: Greta Garbo, Carlito, as antigas salas de exibição já extintas vão se tornando parte da literatura. Os textos são resultado da frequência às salas escuras por Carlos Drummond desde a infância. Na vida pacata da Minas Gerais do início do século, as fitas estrangeiras eram um dos contatos privilegiados com as novidades dos grandes centros culturais. Na vida na capital a partir dos anos 1930, a atração pelos filmes se manteve, como deixam ver algumas anotações no diário do escritor.

Greta Garbo <span>Bettmann/Corbis/Latinstock</span>
Cineteatro Glória, em Belo Horizonte, 1929 <span>Acervo do Museu Histórico Abílio Barreto</span>
“Ir ao cinema”, crônica publicada sob o pseudônimo Antônio Crispim no Minas Gerais em 22 de maio de 1930 <span>Acervo Carlos Drummond de Andrade - AMLB/FCRB</span>

Com a consagração da obra literária, Carlos Drummond de Andrade deixa as poltronas e passa às telas. O primeiro gesto nesse sentido foi a transposição da poesia do escritor para a película. Em 1966, Joaquim Pedro de Andrade lançou O padre e a moça, adaptação do poema homônimo de Lição de coisas. Outros filmes serão feitos a partir da obra do escritor, mesmo após sua morte: em 1996, Heidy Honigmann dirigiu documentário a respeito dos poemas de O amor natural; em 2004, foi finalizado O vestido, a partir de “O caso do vestido”, poema de A rosa do povo. O poeta também foi filmografado. Um importante documentário a respeito do escritor, O fazendeiro do ar, foi dirigido por Fernando Sabino e David Neves em 1972. Em 2002, Paulo Thiago concluiu Poeta de sete faces, a respeito do escritor itabirano. O poeta e sua poesia participam já da arte que Carlos tanto admirou.