Nunca se vira festa tão espetacular como o baile da Ilha Fiscal, oferecido pelo Visconde de Ouro Preto, presidente do Conselho de Ministros, aos oficiais do cruzador chileno "Almirante Cochrane". Com a presença da Família Imperial, mais de 4 500 convidados dançaram até o romper da aurora, deliciando-se com um banquete preparado por 48 cozinheiros e servido por 60 trinchadores e 150 garçons. Enquanto a elite se divertia, republicanos liderados pelo tenente-coronel Benjamin Constant reuniam-se no Clube Militar para discutir uma saída para a crise terminal do Império. Naquele sábado, 9 de novembro, sem se dar conta, a Monarquia despedia-se do poder.


Convidado para o baile da Ilha Fiscal, marcado para 19 de outubro, Rui Barbosa, cada vez mais distante da monarquia, não comparece à festa.
Benjamin Constant Em 11 de novembro Rui é convidado a participar do movimento revolucionário
Dois dias após a publicação do seu contundente artigo "O Plano contra a Pátria", Rui Barbosa é levado por Benjamin Constant a uma reunião na casa de Deodoro da Fonseca, que aceitara dirigir o movimento revolucionário. Em seguida, por intermédio de Quintino Bocaiúva, Rui recebe convite para assumir a pasta da Fazenda, assim que a República fosse proclamada.
Enquanto oficiais do Exército
conspiravam, a Guarda Nacional
divertia-se nos derradeiros
momentos do Império.
Deodoro proclama a República em frente ao prédio do Ministério da Guerra
Em 15 de novembro de 1889, Deodoro da Fonseca, à frente de tropas rebeladas, cerca o prédio do Ministério da Guerra e exige a renúncia do Visconde de Ouro Preto. Avisado, D. Pedro II volta apressadamente de Petrópolis. Mas já estava decretado o fim da Monarquia e instituída a República Federativa dos Estados Unidos do Brasil.
Leia mais:      Biografia de Deodoro da Fonseca
Homepage
Luta pela cidadania A construção da República O vôo da águia A questão social .
 

Histórico Links Créditos Índice Bibliografia