Deodoro da Fonseca - militar e estadista (1827-1892) - Manuel Deodoro da Fonseca nasceu na cidade de Alagoas, atual Marechal Deodoro (AL). Oficial do exército, combateu a Revolta Praieira em Pernambuco no ano de 1848, participando também da Guerra Platina (1864) e da Guerra do Paraguai (1865-1870). Foi promovido a marechal-de-campo em 1884 e, no ano seguinte, nomeado comandante de armas do Rio Grande do Sul. Em 1887 seguiu para o Rio de Janeiro, onde assumiu a liderança da facção do exército favorável à causa abolicionista. Apesar de ser amigo do Imperador, gozava de grande prestígio junto às tropas e acabou colocado à frente do movimento militar que derrubou o Monarquia e proclamou a República no dia 15 de novembro de 1889. Como chefe do Governo Provisório, entrou em conflito com as lideranças civis, resistindo à convocação da Assembléia Constituinte. Sua eleição à presidência, em 1891, foi garantida graças à pressão dos militares sobre o Congresso, com o qual entraria em choque ao substituir o Ministério herdado do Governo Provisório por outro sob o comando de um tradicional político monarquista - o Barão de Lucena. Unindo-se a ele, Deodoro procurou reforçar o Poder Executivo, fechando o Congresso em 3 de novembro, com a promessa de realizar novas eleições e de promover uma revisão na Constituição. Sua tentativa de fazer calar a oposição para melhor articular um golpe de estado esbarrou na resistência do marechal Floriano Peixoto, levando-o a renunciar em 23 de novembro daquele mesmo ano.