Max Justo Guedes e Jorge Couto

fundação da feitoria permitiu o início do sistema regular de trocas entre ameríndios e portugueses, denominado escambo. Os indígenas abatiam as árvores, desbastavam-nas, descascavam-nas e transportavam as toras até a feitoria.
Em troca de pau-brasil e de papagaios, recebiam instrumentos metálicos (machados, facas, tesouras) e outros objetos (pentes, espelhos, manilhas etc). Não tardou a aparecer a concorrência normanda, iniciada após a viagem de Paulmier de Gonneville (1503-1505) que, com dois pilotos portugueses, tentou a alcançar o Oriente, mas, por erro de




navegação, aterrou no sul do Brasil. Dali foi para o nordeste, onde carregou pau-brasil, retornando à França. A partir de então, a costa brasileira foi alvo dos interesses comerciais de armadores normandos e bretões.
O Livro da Nau Bretoa, documento referente ao navio que esteve fundeado ao largo da feitoria do Cabo Frio entre o início de junho e o final de julho de 1511, constitui excelente fonte para a compreensão das peculiaridades do escambo, especialmente do ritmo de carregamento de pau-brasil (5.008 toras) e de escravos (em número de 35), bem como de papagaios, sagüis (pequenos macacos) e gatos maracajás.
A intensificação da presença francesa no Brasil e a chegada dos espanhóis ao rio da Prata levaram D. Mauel a tomar, em 1516, diversas medidas, entre elas a de transferir a feitoria para Igaraçu ("canoa grande"), na costa pernambucana, e criar a

armada de guarda-costas, cujo comando confiou a Cristóvão Jacques, com a finalidade de patrulhar o litoral. No mesmo ano, foi atacada a feitoria do Cabo Frio por caravela da flotilha Castelhana de João de Solis, que regressava do Prata.

Feitoria e cena de escambo