Tempo de formação (1872-1899)

Estudante de medicina

Não existiam, ainda, os vestibulares. Para chegar a uma faculdade, era preciso passar por exames preparatórios. Oswaldo prestou-os no tradicional Colégio Pedro II.

Em 1887, matriculou-se na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, uma das duas reconhecidas pelas autoridades naqueles anos finais do Império — a outra era a Faculdade de Medicina da Bahia. Tinha somente catorze anos, idade em que a maioria dos garotos iniciava o curso secundário.

Ao longo dos seis anos do curso, Oswaldo Cruz não deu mostras de se interessar, como o pai, pela clínica médica. Mas apaixonou-se pela microbiologia, um ramo da ciência que, naquele momento, promovia uma radical mudança na medicina — a chamada "revolução pasteuriana" —, graças às descobertas de pesquisadores como o francês Louis Pasteur e o alemão Robert Koch.

Oswaldo Cruz aos vinte anos
O primeiro contato do jovem estudante com a microbiologia se deu no laboratório do professor Benjamin Antônio da Rocha Faria, catedrático da cadeira de higiene. Já no segundo ano do curso, em 1888, foi convidado para ser, ali, ajudante de preparador. Dois anos mais tarde, quando o laboratório foi transformado no Instituto Nacional de Higiene, Oswaldo tornou-se assistente do professor Rocha Faria.

No quinto ano, teve dois trabalhos — "Um caso de bócio exoftálmico num indivíduo do sexo masculino" e "Um micróbio das águas putrefatas encontrado nas águas de abastecimento de nossa cidade" — divulgados numa importante revista especializada, o Brazil-Médico.