You need to upgrade your Flash Player This is replaced by the Flash content. Place your alternate content here and users without the Flash plugin or with Javascript turned off will see this. Content here allows you to leave out noscript tags. Include a link to bypass the detection if you wish.
 
HOME
BIOGRAFIA
PENSAMENTO
OBRAS
CRONOLOGIA
FRASES
GLOSSÁRIO
PROJETO MEMÓRIA
CONTATO
LINKS
CRÉDITOS
 
 
   
PELO DIREITO DE VOTAR: A PRIMEIRA LUTA FEMINISTA
UM FEMINISMO SEM LIBERDADE DE EXPRESSÃO
MOVIMENTO E PENSAMENTO NA LUTA EM DEFESA DA MULHER


Cai a ditadura e o feminismo ganha força no Brasil

Após a redemocratização, o feminismo no Brasil entrou em um novo estágio.

E teve que enfrentar dois grandes desafios, surgidos a partir da abertura política no País.
O primeiro foi a ameaça à unidade do movimento, devido à reforma partidária de 1979, que dividiu a Nação em várias frentes de esquerda.

E, depois, a relação com os novos governos democráticos, concentrada no PMDB, que passou a governar a maioria dos estados brasileiros.

  O Ligue 180, implantado em 2005 pela Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), tem como objetivo orientar e auxiliar mulheres vítimas de violência, com atendimento 24 horas em todo o país.

Esse cenário acabou resultando no surgimento de grupos feministas temáticos, além do chamado “feminismo acadêmico”, que teve como ponto de partida o Departamento de Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, em São Paulo.

Nas universidades de todo o País, começaram a ser criados os núcleos de pesquisa e estudos da mulher.

E, em 1985, é instituído o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, vinculado ao Ministério da Justiça, e também a primeira Delegacia da Mulher, marco histórico do feminismo brasileiro, passando a reconhecer a mulher como vítima de violência.

Ainda na década de 1980, foi implantado, pelo Ministério da Saúde, o Programa de Atenção Integral à Saúde da Mulher, voltado para o planejamento familiar, incluindo as questões dos direitos sexuais.


 

“Opúsculo Humanitário”, um dos
livros de Nísia Floresta que foram
publicados, a partir da década de
1980, pela pesquisadora Constância
Lima Duarte, principal biógrafa da
escritora na atualidade.

E Nísia Floresta surgia novamente, com a publicação, em 1982, de uma nova edição de “Itinerário de uma Viagem à Alemanha”, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Em 1989, sai “Opúsculo Humanitário”, além de “Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens”, ambos com posfácio de Constância Lima Duarte, que se torna a principal biógrafa da escritora na atualidade.