You need to upgrade your Flash Player This is replaced by the Flash content. Place your alternate content here and users without the Flash plugin or with Javascript turned off will see this. Content here allows you to leave out noscript tags. Include a link to bypass the detection if you wish.
 
HOME
PENSAMENTO
OBRAS
NÍSIA HOJE
CRONOLOGIA
FRASES
GLOSSÁRIO
PROJETO MEMÓRIA
CONTATO
LINKS
CRÉDITOS
 
 
   
NÍSIA E OS JARDINS BALSÂMICOS DA RISONHA FLORESTA
COMEÇAM AS REBELIÕES
EM OLINDA, NÍSIA CONHECE MANUEL AUGUSTO
OS FARRAPOS E A GUERRA NO SUL
DA CAPITAL DO IMPÉRIO PARA O BERÇO DO ILUMINISMO
NO PALAIS CARDINAL, O FILÓSOFO QUE CONTESTOU A METAFÍSICA
UMA NOITE DE CHUVA E A DESPEDIDA DAS LETRAS


Um casal feliz, dois filhos pequenos e uma fatalidade

Após a publicação de seu primeiro livro, “Direitos das Mulheres e Injustiça dos Homens”, em 1832, Nísia Floresta e seu companheiro, Manuel Augusto, decidem se mudar para Porto Alegre.

Há duas versões para esse fato.

A primeira diz que um irmão de Manuel Augusto, que residia no Sul, convidou o já formado bacharel em direito para ir morar na capital gaúcha e lá exercer sua profissão.

A outra dá conta que o primeiro marido de Nísia Floresta, Manuel Alexandre, estava perseguindo a escritora, com acusações de abandono de lar e adultério, e teria chegado a Olinda, estando prestes a processá-la.

Não há registro de qual seria o motivo real para a mudança, mas ambas as hipóteses são prováveis.





Ilustração da cidade do Recife,
no século XIX: a escravidão
ainda estava longe de acabar.

Em Porto Alegre, nasce Augusto Américo de Faria Rocha, filho mais novo do casal.
A primeira filha, Lívia Augusta de Faria Rocha, havia nascido em Olinda, bem como o segundo filho de Nísia Floresta, morto quando ainda era recém-nascido.

Também se mudaram para sua casa, na capital gaúcha, a mãe da escritora e suas duas irmãs, Clara e Izabel.

O irmão caçula de Nísia Floresta, Joaquim Pinto Brasil, permaneceu em Olinda, cursando a faculdade de direito.

Seu pai havia sido assassinado nas proximidades do Recife, em 1818, um crime que teve como mandatário um capitão-mor contra o qual ele havia defendido um cliente, ganhando a causa.

Além dessa morte, e da do segundo filho, Nísia Floresta logo enfrentaria uma outra fatalidade, a morte do companheiro Manuel Augusto, que adoecera pouco depois da chegada do casal ao Rio Grande do Sul.