You need to upgrade your Flash Player This is replaced by the Flash content. Place your alternate content here and users without the Flash plugin or with Javascript turned off will see this. Content here allows you to leave out noscript tags. Include a link to bypass the detection if you wish.
 
HOME
PENSAMENTO
OBRAS
NÍSIA HOJE
CRONOLOGIA
FRASES
GLOSSÁRIO
PROJETO MEMÓRIA
CONTATO
LINKS
CRÉDITOS
 
 
   
NÍSIA E OS JARDINS BALSÂMICOS DA RISONHA FLORESTA
COMEÇAM AS REBELIÕES
EM OLINDA, NÍSIA CONHECE MANUEL AUGUSTO
UM CASAL FELIZ, DOIS FILHOS PEQUENOS E UMA FATALIDADE
OS FARRAPOS E A GUERRA NO SUL
NO PALAIS CARDINAL, O FILÓSOFO QUE CONTESTOU A METAFÍSICA
UMA NOITE DE CHUVA E A DESPEDIDA DAS LETRAS


Da capital do Império para o berço do Iluminismo

Em 1849, a filha de Nísia Floresta, Lívia Augusta, sofre um grave acidente, caindo de um cavalo quando se dirigia à casa do tio Joaquim, no Rio de Janeiro.

O médico Cândido Soares de Meireles, profissional de renome na Corte, recomenda uma mudança de ares, indicação típica do século XIX para o tratamento das mais diferentes enfermidades.

 

Lista das alunas do Colégio
Augusto que receberam menções
honrosas no fim do ano letivo de
1846, no “Jornal do Comércio”: o nome
da filha de Nísia Floresta, Lívia Augusta
(no destaque), indica que ela foi uma
das premiadas em latim.


É quando Nísia Floresta decide se mudar para a Europa, levando Lívia e o filho mais novo, Augusto Américo.

Na época, houve quem afirmasse que a escritora saíra do Rio de Janeiro em função das pressões que estava sofrendo por causa de suas idéias avançadas demais, tanto na área da educação quanto da política, e que a doença da filha seria apenas uma desculpa.

O mais provável, porém, é que ambos os fatores tenham influenciado a atitude de Nísia Floresta e, em 24 de dezembro daquele mesmo ano, o navio francês Ville de Paris atracava em Ville du Huvre, na França, de onde ela seguiria para Paris. (ver com a revisora se estes nomes próprios são traduzíveis, não os encontrei em nenhum manual)

 

 

 

                                                    Um dos endereços de Nísia                                                     Floresta em Paris, na Rua                                                     Roger Collard.

Aquela que era considerada a mais importante capital européia enfrentava dias conturbados quando da chegada da escritora, em função dos eventos da Revolução de 1848, que havia ocorrido um ano antes, derrubando a Monarquia no país.

 

 

Documento de venda da
casa de Nísia Floresta em
Bonsecours, datada de
24 de maio de 1880.



Mas a França era, acima de tudo, o berço do Iluminismo, pátria de alguns dos maiores escritores do século XIX, muitos dos quais se tornariam grandes amigos de Nísia Floresta, vindo até mesmo a freqüentar sua casa em Paris.

Na Europa, a escritora passou os últimos 28 anos de sua vida.

Morou em vários países, visitou outros tantos, escreveu livros em francês e em italiano e publicou traduções de suas antigas obras, até morrer em 1885 aos 75 anos, em Bonsecours, arredores de Rouen, na França.

                                                         Ultimo endereço de Nísia                                                          Floresta em Bonsecours,                                                          antes de sua morte.