You need to upgrade your Flash Player This is replaced by the Flash content. Place your alternate content here and users without the Flash plugin or with Javascript turned off will see this. Content here allows you to leave out noscript tags. Include a link to bypass the detection if you wish.
 
HOME
PENSAMENTO
OBRAS
NÍSIA HOJE
CRONOLOGIA
FRASES
GLOSSÁRIO
PROJETO MEMÓRIA
CONTATO
LINKS
CRÉDITOS
 
 
   
NÍSIA E OS JARDINS BALSÂMICOS DA RISONHA FLORESTA
COMEÇAM AS REBELIÕES
EM OLINDA, NÍSIA CONHECE MANUEL AUGUSTO
UM CASAL FELIZ, DOIS FILHOS PEQUENOS E UMA FATALIDADE
OS FARRAPOS E A GUERRA NO SUL
DA CAPITAL DO IMPÉRIO PARA O BERÇO DO ILUMINISMO
NO PALAIS CARDINAL, O FILÓSOFO QUE CONTESTOU A METAFÍSICA
UMA NOITE DE CHUVA E A DESPEDIDA DAS LETRAS


Casamento, separação e a despedida definitiva de Papari

Após dois anos em Goiana, a família de Nísia Floresta volta a viver em Papari, mesmo com o clima ainda hostil aos portugueses.

A Rebelião de 1817 havia sido abafada, mas os movimentos insurgentes continuavam ativos no Nordeste.

De volta ao vilarejo, Nísia Floresta, aos 13 anos, casa-se com Manuel Alexandre Seabra de Melo.

O rapaz era dono de grandes extensões de terra, vizinhas ao Sítio Floresta, mas tinha pouca escolaridade.

O casamento, realizado prematuramente, logo se desfaz, e ela volta a viver com a família.
Inconformado com a separação, Manuel iria perseguir Nísia Floresta durante alguns anos, ameaçando processá-la por abandono de lar e, posteriormente, por adultério, pois em 1830 ela passa a viver em Olinda com Manuel Augusto de Faria Rocha, pai de seus filhos, considerado o grande amor de sua vida.



Estação ferroviária do município de Nísia Floresta, hoje desativada.


Apenas dois anos após a Independência, surgem em Pernambuco novas rebeliões, agora com objetivos separatistas.

A elite local não aceitava a centralização do poder no Rio de Janeiro e, principalmente, a hegemonia lusitana na economia das províncias, situação que ainda não havia se alterado.
Há uma nova perseguição aos portugueses e ao pai de Nísia Floresta, e a família muda-se então para Olinda, depois de uma rápida passagem por Goiana.

Essa seria a despedida definitiva do S ítio Floresta, no Rio Grande do Norte, onde a escritora nasceu e se criou, pois, com a ausência dos donos, a propriedade é invadida, saqueada e destruída.