Vida e obra de Monteiro Lobato
1927 – 1931
 
ADIDO COMERCIAL EM NOVA IORQUE
25/5/1927 – Nomeado pelo presidente Washington Luís, Lobato embarca no navio American Legion com destino a Nova Iorque, onde assumiria o cargo de adido comercial.

"Ao chegar (...), quem encontro no cais de Hoboken? O agente geral da Ford em New York. Abordou-me, deu cartão e disse que tinha ordem de Mr. Ford para receber-me e facilitar-me tudo. Foi ótimo porque vim com bagagem enorme (...). Levou-me para o hotel numa Lincoln e guardou meus caixões no depósito da companhia até que eu alugasse este apartamento. Tome nota: 205 - 24th Street - Jackson Heights, L. I. - New York City - USA." Nova Iorque, 17/8/1927.

No extremo sul da ilha de Manhattan, de frente para a Battery Place, a sala 241 do Whitehall Building abrigava o escritório comercial do consulado brasileiro em Nova Iorque e de lá Lobato pôde ver o Brasil com novos olhos.

Agosto de 1927 – Envia relatório ao ministro das Relações Exteriores, Otávio Mangabeira, sugerindo, entre várias outras medidas, que o governo brasileiro reconsiderasse os altos impostos de exportação e que, com urgência, investisse em propaganda.

1928 – Exibição do primeiro filme inteiramente falado: Luzes de Nova Iorque, de Brian Foy. Alexander Fleming descobre a penicilina.

 
Whitehall Building

1928 – É publicado Macunaíma, de Mario de Andrade, com tiragem de 800 exemplares.

1928 - Lobato conhece Anísio Teixeira, que estava em Nova Iorque cursando o Teacher’s College da Universidade de Colúmbia. Uma grande amizade unirá esses dois apaixonados por novos métodos pedagógicos para as crianças.

Maio de 1928 – Em companhia de Fortunato Bulcão, um empresário brasileiro que conheceu nos EUA, Lobato visita a Ford e a General Motors, em Detroit, e sai impressionadíssimo. Vê de perto um novo processo siderúrgico, denominado "sponge iron", que produzia aço a partir de fornos de baixa caloria. A nova tecnologia havia sido desenvolvida por William H. Smith, engenheiro que trabalhara na Ford e fundara a General Reduction Corporation, empresa detentora da patente.

Maio de 1928 – Oswald de Andrade publica seu Manifesto Antropófago no número 1 da Revista de Antropofagia.

Julho de 1928 - Lançamento de O noivado de Narizinho.

"O Times de hoje anuncia que a estação WCFW vai inaugurar comercialmente a irradiação de imagens. O sonho que localizei em séculos futuros encontro realizado aqui. A primeira vítima da televisão vai ser a velha e boa Saudade, que no fundo é filha da Lentidão e da Falta de Transportes. A saudade desaparecerá do mundo." Nova Iorque, 17/8/1928.

Outubro de 1928 - Lançamento de O Gato Félix. Lobato e sua família mudam-se para um apartamento na Broadway.

Novembro de 1928 - Lançamento de Aventuras do Príncipe e A Cara de Coruja.

Novembro de 1928 – Sai no Rio de Janeiro o primeiro número da revista O Cruzeiro.

Lobato na embaixada do
Brasil em Washington
  Final de 1928 – A pedido do Itamaraty, Lobato envia minucioso balanço sobre o comércio Brasil-Estados Unidos. Dentre os inúmeros informes, relatórios e sugestões que fez ao longo do ano, destaca-se seu interesse por combustíveis alternativos, em particular o babaçu.

1929 – Inaugurado no centro de São Paulo o Edifício Martinelli, o maior da América Latina, com 30 andares.

Junho de 1929 - Lançamento de O Irmão de Pinocchio.

28/8/1929 - Em carta a Julio Prestes, Lobato transmite-lhe votos pela "vitória na campanha em perspectiva; (...) sua política na presidência significará o que de mais precisa o Brasil: continuidade administrativa."

Agosto de 1929 - Lançamento de O Circo de Escavalinho.

Outubro/novembro de 1929 – Vítima do crash da Bolsa de Nova Iorque, onde investira todos os seus recursos, Lobato é obrigado a se desfazer de suas ações da Companhia Editora Nacional. Os dias mais tumultuados do pregão são narrados num capítulo de América – os Estados Unidos em 1929, escrito logo ao voltar. Retomando os diálogos com Mr. Slang, nesse livro Lobato passeia pelos Estados Unidos discutindo a realidade à sua volta, sempre fazendo contrapontos com o Brasil.

22/5/1930 – O dirigível alemão Graf Zeppelin desce no Rio de Janeiro, perante 15 mil pessoas.

Junho de 1930 - Júlio Prestes, eleito em março, é recebido em Nova Iorque. Monteiro Lobato acompanha sua comitiva a Washington e participa de banquete oferecido pelo presidente Herbert Hoover.

"Meus jornais matutinos são o Time e o Sun. Minha Revista do Brasil é o American Mercury, com o tremendíssimo Henry Mencken lá dentro. (...) O jazz me deleita, e enlevo-me nos songs, nos Broadway hits, no perpétuo marulho oceânico desta Broadway onde moro. (...) Estou avô, já sabes, duma americanazinha, a Joyce (...) [nascida a 24 de fevereiro, filha de Martha Lobato e J. U. Campos]." Nova Iorque, 26/6/1930.

 
  6/8/1930 – Em carta "vinda dalém túmulo", Lobato manifesta a Mario de Andrade seu interesse em intermediar a tradução e o lançamento de Macunaíma nos EUA.

3/10/1930 – Explode a Revolução de 30. Vitoriosa a 24/10, o levante armado depõe Washington Luís. Getúlio Vargas toma posse como chefe do governo provisório a 3/11.

Novembro de 1930 - Lançamento de A Pena de Papagaio. Adaptação de Peter Pan, do escritor inglês J. M. Barrie.

6/12/1930 - Decreto assinado pelo chefe do Governo Provisório dispensa vários funcionários do Itamaraty e Monteiro Lobato perde seu cargo de adido comercial em Nova Iorque.

9/12/1930 – Ao deixar o posto, Lobato escreve carta a Getúlio Vargas relatando as conclusões a que chegou com sua experiência americana. Os grandes problemas nacionais – ferro, combustível e trigo – seriam os responsáveis pela fraqueza da economia brasileira. Mas o país tinha tudo para superá-los, bastava ter vontade política.

Março de 1931 - Monteiro Lobato retorna ao Brasil.