Mangue Beat

Movimento artístico-cultural iniciado no início da década de 90 em Recife, a partir da iniciativa das bandas Chico Science & Nação Zumbi e Mundo Livre S.A. Os músicos buscaram formas híbridas entre a cultura de massa e a tradição local e abriram caminho para uma renovação cultural que encontrou ressonância internacional. Tendo como uma das referências a obra de Josué de Castro, o movimento resgatou a imagem do homem-caranguejo e do mangue sobre o qual se consolidou a cidade do Recife. A biodiversidade do mangue como ecossistema foi associada a uma fusão de estilos, locais e globais, capaz de tornar a cena cultural do Recife tão rica quanto sua situação geográfica. Gêneros como o rock, o reggae e o hip-hop se misturaram ao maracatú, ao côco e ao samba. As letras de Chico Science freqüentemente retratavam a desigualdade social brasileira e por vezes homenageavam Josué de Castro, como no caso de Da lama ao caos: "Ô Josué nunca vi tamanha desgraça, quanto mais miséria tem, mais urubú ameaça".

Imprimir este texto