AMIGOS ILUSTRES


Trecho de uma carta enviada por Cecília Meireles a JosuéJosué dialogou com grandes nomes da cultura do século XX que muito contribuíram para enriquecer sua obra. Na juventude, o convívio com o antropólogo Arthur Ramos e o folclorista Théo Brandão foi um estímulo para a publicação de seus primeiros ensaios.

Seu interesse pela literatura encontrou receptividade em grandes escritores como Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Raquel de Queiróz, Cecília Meireles, Jorge Amado e João Cabral de Melo Neto.

Conviveu também com grandes nomes das artes plásticas como Cândido Portinari (que retratou Josué), Cícero Dias, Di Cavalcanti e Flávio Shiró.

Josué e o escritor Jorge Amado em Petrópolis Médico da família de Getúlio Vargas, amigo de Juscelino Kubitschek, a vocação pública de Josué não passava desapercebida pelos chefes de Estado que o conheceram.

Levando suas idéias para o mundo, Josué compartilhou idéias com grandes personalidades interessadas em soluções pacíficas para os grandes desafios da humanidade, como Lord John Boyd Orr, Prêmio Nobel da Paz, Pearl S. Buck, Prêmio Nobel de Literatura, Robert Oppenheimer, Prêmio Nobel de Física, Jean-Paul Sartre e Bertrand Russell.

Ao lado do ex-presidente Juscelino Kubitschek O interesse pela Geografia da Fome trouxe ao Brasil o cineasta Roberto Rosselini que chegou a visitar com Josué locações para um filme sobre a obra. Mais tarde Josué procurou Luis Buñuel, que não pôde aceitar por problemas de saúde.

Na busca de ações práticas na luta contra a fome em todo o planeta encontrou os parceiros que se uniram na Associação Mundial de Combate à Fome (Ascofam): Abade Pierre, Padre Joseph Lebret, Padre Pire, René Dumont, entre outros.

Imprimir este texto