UM CIDADÃO DO MUNDO


Josué reunia grandes platéias para ouvir suas propostasA partir da publicação de Geografia da Fome, em 1946, Josué de Castro torna-se uma referência internacional. Por seu brilhantismo intelectual conquistou admiradores por todos os continentes.

Participa, como delegado do Brasil, em 1948, da Primeira Conferência Latino-Americana de Nutrição, em Montevidéu, promovida pela FAO, Órgão das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Na ocasião é escolhido como membro do Comitê Consultivo Permanente de Nutrição deste órgão. Em 1950, Josué organiza a Segunda Conferência Latino-Americana de Nutrição da FAO em Petrópolis, no Estado do Rio de Janeiro.

Castro foi eleito Presidente do Conselho Executivo da FAO, sediado em Roma, ocupando este cargo por dois mandatos sucessivos, de 1952 a 1956.

Na presidência do Conselho da FAO, promove a realização da Terceira Conferência Latino-Americana de Nutrição, em 1953, na Venezuela. Também idealizou uma “reserva internacional contra a fome” para ajudar países em situação emergencial.

Medalha recebida por JosuéPor suas obras e ações no combate à fome no mundo, Josué recebe o Prêmio Internacional da Paz, em 1954, do Conselho Mundial da Paz.

Em 1957, funda, com o Abade Pierre, e passa a presidir a Asssociação Mundial de Luta contra a Fome (Ascofam). Faziam parte Padre Pire (fundador da Universidade da Paz e Prêmio Nobel da Paz), Padre Joseph Lebret, René Dumont, entre outros. Esta organização não-governamental visava a concentrar esforços para as ações de transformações sociais importantes para corrigir as estruturas econômicas provocadoras da fome.

É eleito, em 1960, Presidente do Comitê Governamental da Campanha Mundial de Luta Contra a Fome, uma iniciativa da FAO.

Em 1962, é designado Embaixador-chefe da delegação do Brasil junto à ONU, em Genebra.Josué em evento da ASCOFAM

Em 1963, seu nome é indicado ao Prêmio Nobel da Paz.

O golpe militar de 1964 retira os direitos políticos de Josué no Brasil. Residindo a partir de então em Paris, prossegue participando de inúmeros organismos em diversos países. Por convite da ONU, torna-se membro do Instituto de Formação Humana e Pesquisa dessa organização para tratar de assuntos ligados à fome.

Em 1965, funda o Centro Internacional para o Desenvolvimento (CID), uma organização não-governamental voltada para a assessoria de países subdesenvolvidos. Ele presidirá o CID até 1973.

Josué no evento Cidadãos do Mundo, em Paris – 1968Participa de um grupo de treze personalidades de reputação internacional, os Cidadãos do Mundo, reunidos a partir de 1967, para discutir a formação de instituições mundiais encarregadas de exprimir as reivindicações de todos os povos. Entre os membros estavam Lord Boyd Orr, Alfred Kastler, o abade Pierre, Linus Pauling, Rajan Nehru e Bertrand Russell.

Preside a Associação Médica Internacional para as Condições de Vida e Saúde (Amievs), a partir de 1970. Seu nome é novamente indicado ao Prêmio Nobel da Paz.Audiência da palestra de Josué em encontro da AMIEV

Em 1972, participa da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, realizada em Estocolmo.



Imprimir este texto