Rompimento com o FMI


No início de 1958, o governo Kubitschek aguardava resposta para um pedido de empréstimo externo no valor de 200 milhões de dólares. Em março, missão do Fundo Monetário Internacional esteve no Rio de Janeiro e condicionou a liberação do dinheiro à adoção de um pacote de medidas antiinflacionárias. A inflação deveria ficar em 6% ao ano, no máximo. O governo teria que adotar uma taxa única de câmbio, abolir os incentivos aos agricultores e restringir salários.

Na tentativa de atender às exigências do FMI, em outubro o presidente trocou José Maria Alkmin por Lucas Lopes no ministério da Fazenda. Mas o Plano de Estabilização Monetária (PEM) aplicado pelo novo ministro não funcionou: a estabilização pretendida fatalmente comprometeria os planos do governo e retardaria a construção de Brasília. Por isso, em junho de 1959 Juscelino Kubitschek rompeu ruidosamente com o FMI. Multidões formaram-se diante do Palácio do Catete para apoiar a decisão do presidente.

O impasse encontraria solução em fevereiro de 1960, quando, em visita ao Brasil, o presidente americano, Dwight Eisenhower, perguntou a JK se haveria interesse em reatar, em novas bases, com o FMI. Assim foi feito, e em maio o FMI concedia um vultoso empréstimo ao Brasil.