UM FURACÃO NA PRESIDÊNCIA (1955-1961)

Um balanço do governo JK

Durante os cinco anos do governo Kubitschek, o produto interno bruto (PIB) cresceu à média anual de 7%, contra os 5,2% do período de 1945 a 1955. O PIB industrial foi ainda mais expressivo: 10,7% ao ano, em média. A produção industrial cresceu 80%, a siderurgia, 100%, a indústria mecânica, 125%, a elétrica e de comunicações, 300%, e o setor de transportes em espetaculares 600%. A inflação média anual, de 24,7%, seria desprezível diante dos patamares que alcançaria no futuro.

O governo JK construiu 20 mil quilômetros de estradas e pavimentou 5 600 quilômetros de rodovias já existentes, literalmente abrindo caminhos para a nascente indústria automobilística nacional. Implantou a indústria da construção naval e elevou a produção de petróleo de 6 800 para 100 mil barris diários. Construiu a refinaria Duque de Caxias – e as hidrelétricas de Três Marias e Furnas, aumentando a potência total instalada de 3 milhões de kW, em 1954, para 4,7 milhões no final do qüinqüênio. Criou ainda a Sudene, para promover o desenvolvimento do Nordeste, e a Comissão Nacional de Energia Nuclear.