UM FURACÃO NA PRESIDÊNCIA (1955-1961)

O 11 de novembro

O apelo mais direto ao golpe partiu do coronel Jurandir de Bizarria Mamede. Discursando no enterro do general Canrobert Pereira da Costa, dia 1º de novembro de 1955, o militar baiano conclamou as Forças Armadas a impedir a posse de JK e João Goulart.

O ministro da Guerra, general Henrique Teixeira Lott, quis punir Mamede, mas o coronel, por pertencer aos quadros da Escola Superior de Guerra, estava subordinado à presidência da República – só poderia ser enquadrado se esta o revertesse ao Ministério da Guerra.

O presidente, Café Filho, adoeceu dois dias depois, sem ter tomado essa medida, requerida por Lott. Foi substituído pelo presidente da Câmara, Carlos Luz – deputado do PSD mineiro bem próximo dos udenistas.

Como também Luz resistisse à idéia de punir Mamede, Lott demitiu-se no dia 10. Na madrugada de 11, porém, antes que o seu sucessor fosse empossado, pôs os tanques nas ruas do Rio, desfechando um "contragolpe preventivo", ou "golpe da legalidade", para a garantir a posse dos eleitos.

Carlos Luz (oitavo à esquerda, na primeira fila) e líderes golpistas refugiados no cruzador Tamandaré No mesmo dia, o Congresso aprovou o impedimento de Carlos Luz, que, em companhia de líderes golpistas, entre eles Carlos Lacerda, embarcou no cruzador Tamandaré, com a intenção de transferir a sede do governo para Santos.

Café Filho, cuja simpatia pela causa golpista era evidente, foi impedido de reassumir o posto, ocupado agora pelo vice-presidente do Senado, Nereu Ramos. Este solicitou e obteve do Congresso a aprovação do estado de sítio – e o país, em relativa tranqüilidade, caminhou para a posse de JK e João Goulart.

Mas a novela do 11 de novembro não se fecharia sem o tempero brasileiro do humor, por conta do impagável Barão de Itararé, pseudônimo do jornalista e humorista gaúcho Aparício Torelly (1895-1971), que deu a sua versão sobre o contragolpe desfechado pelo general Lott: "No Palácio do Catete, em 11 de novembro de 1955, faltava Café e Luz, mas tinha pão de Lott".